22 agosto 2014

Transcedência


  Quando tudo o que você quer é enlouquecer e esquecer de tudo, os acordes se organizam em uma ordem natural construindo sons capazes de transformar cada gota de lágrima, cada angulo de um sorriso ou uma simples inexpressão em algo positivo. Um positivo relativo, que mesmo se pra você for o negativo, vale a pena.  
  Algo me diz que headphones foram planejados para armazenar problemas e externar soluções em um fluxo bidirecional em que todas as perturbações se esvaecem ao longo de cada arranjo ao passo em a harmonia se constitui. Que se foda o resto, é um momento seu e é sempre válido! Mas é sensacional quando cada centímetro do seu corpo se envolve num mix de sensações que beira a transcendentalidade de um orgasmo. Querer fugir do mundo não é um ato condenável e a música é o catalizador da reação em que seu corpo é a base do sistema. 
  A cada frase que escrevo um arrepio diferente percorre a alma, quando só o ato de descrever a sensação te envolve e o corpo para de responder de forma racional o espetáculo chega ao ápice. Quem disse que o irracional é ruim? As vezes enlouquecer vale a pena, perder o juízo causa boas experiências e a irracionalidade pode ser uma das melhores sensações do mundo! Relaxa, para de pensar besteira, tira essa rigidez da cabeça, as coisas não precisam ser tão sérias.
  Tem uma festa acontecendo na minha cabeça e só nós dois fomos convidados. 

2 comentários:

  1. Wouuuuu adorei!!
    Muito bom seu texto, Marcela! A música realmente é um válvula de escape! :))

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, fico feliz que tenha gostado!!! :DD

      Excluir